domingo, 2 de dezembro de 2007

Arejar

Novembro se foi, dessa vez sem fins.
Assisti as horas se atropelarem na corrida do meu dia-a-dia e apenas velei dores passadas.
Agora é tempo de abrir as cortinas e aproveitar o fim de ano para colocar a cabeça, e o coração, em ordem.
A alma, ah... essa já é perdida mesmo.
Percebi que por mais que eu tente, por mais que eu deseje, não posso determinar os sentimentos alheios. Ando sofrendo demais com isso. Preciso aceitar e viver outras estórias.
Sinto que meu tempo está passando. Assim como novembro, que passou.
Meus dias, minhas noites, minhas idas e vindas...
Cada um tem seu próprio tempo, para viver, amar, desamar, velar, planejar.
E o seu tempo não é igual ao meu. E o meu voa.

9 comentários:

Bridget Jones disse...

Doutora Alma,

É uma grande verdade o que disse: "Não podemos determinar os sentimentos alheios." Pelas palávras ~´abias acho que vc seria muito útil para analisar os nosos pacientes lá no "Sou para-raio de doido!".

O primeiro caso clínico já está lá. Dá uma passadinha...

Um beijão

Tudo ou nada ... disse...

Não podemos nem conseguimos determinar nossos próprios sofrimentos, quanto mais os dos outros. Mas ñ fique triste quanto a isso quem sabe um dia poderá determinar o amor em alguém, é muito melhor.
Bjos

Murdock disse...

"Percebi que por mais que eu tente, por mais que eu deseje, não posso determinar os sentimentos alheios. Ando sofrendo demais com isso. Preciso aceitar e viver outras estórias.
Sinto que meu tempo está passando. Assim como novembro, que passou.
Meus dias, minhas noites, minhas idas e vindas...
Cada um tem seu próprio tempo, para viver, amar, desamar, velar, planejar.
E o seu tempo não é igual ao meu."


Eu podia ter dito isso tudo aí...

Iara Alencar disse...

ta dificil encontrar um amor..

oi querida.

a calma alma má disse...

=> Bridget: quem me dera ter sabedoria suficiente para saber como agir e resolver o que tanto atrapalha meu sono...

=> Lu: não tô apostando muito no futuro, tô tentando me acostumar com a idéia de que meu tempo já passou.

=> Murdock: coincidência...

=> Iara: e eu não sei?

Antonio Ximenes disse...

"Calma".

Cada um tem seu tempo.
O Tempo do relógio de sol... da ampulheta.

Legal é quando no intervalo do recreio da nossa vida... pode surgir em frente a cantina de nosso coração...

... alguém que queira dividir um saquinho de batatas fritas com a gente... rs.

Caramba.

Essa foi uma metáfora instigante... rsrsrs

Cada um faz seu tempo.

Façamos o melhor com ele.

Abração pra tu.

Leticia disse...

Alma seu sumiço é entedido até pq tbm estou ausente, muito trabalho.
Há tempo pra tudo , até pra continuar.O tempo voa mas vc não pode adiantá-lo...
Amei o fundo musical...

Adao Braga disse...

Alma,
Quem ama, ama! Quem exige intensidade e reciprocidade de amor se fere!

Não há meios de medir, apenas o seu amor você sente, e mesmo assim, por mais que ame, o outro poderá dúvidar do tanto!

Amar doi!

Adao Braga

a calma alma má disse...

=> Antonio: queria achar alguém pra dividir o saco de batatinhas.. não precisa ser a cara-metade, que nem sei se existe, mas podia ser o requeijão da minha goiabada, hehehe.

=> Lê: quem dera eu fosse dona do tempo. Pudesse mexer nos ponteirinhos de acordo com a minha vontade... Não seria bom???

=> Adão: mas e pra quê tanta intensidade me pergunto? Por que não passar pela vida como um bailarina, nas pontas dos pés???