domingo, 31 de agosto de 2008

Pensando


Começar e terminar relações faz parte da vida. Já cansei de ouvir o clichê “enquanto não acho o homem certo me divirto com os errados”. Acho que talvez seja uma forma de simplificar o que acontece quando termina mais uma tentativa frustrada. Tenho encontrado alguns errados pela vida. Mas não posso dizer isso logo de cara. Por mais que eu me esforce pra separar sentimento de diversão, não tenho obtido sucesso na prática.
Eu acredito que são duas coisas diferentes. Que existe sentimento e que existe sexo. Posso até ser acusada de ter um pensamento machista e muitas vezes eu tenho essa tendência. Acho que tanto tombo me deixou pragmática além da conta. Mas sou mais ou menos aquela do “faça o que eu falo, não faça o que eu faço”.
Enfim, cheguei a essa triste conclusão que até pro tal do sexo preciso do sentimento. Maldita hora que fui criada pra ser mulherzinha, sensível, feminina, coquete. “ai, a falta que me fez meu modelo masculino!”
Seria tão bom desligar o botão do sentimento para algumas coisas. Não que eu me apaixone pelo moço escolhido para o intercurso, longe disso (aliás, isso é coisa pra outro post), mas não dá pra simplesmente mirar um bonitão e falar: vamos? Tem que ter alguma coisa, alguma atração, e não é aquela coisa só da química. Aliás, tenho até um pouco de aversão a bonitões.. não fazem meu tipo. O fato é que comigo não é assim tão fácil essa tal “diversão com os errados”. E o pior é que começo a achar que a errada sou eu. Afinal, to ficando velha (aliás, outro assunto para postar depois) e não tenho mais idade para tantos melindres.

5 comentários:

adao braga disse...

Querida, o que posso te dizer sobre isto? Procure uma igreja. Lá, você entrega a alma ao senhor, e também encontra um irmão que queira a carne, pois, esta é fraca!

Felicidades!

LindaRê disse...

Eu acho que o que acontece é que com o tempo a gente cansa dos errados.
Estar por estar perde a graça.
Não lhe acho errada, pq tb sou assim.

Prefiro o outro cliche que diz: antes só do que mal acompanhada.

Bjs

Tudo ou nada ... disse...

Ô vida rsrs .. mas estar vivo é o q realmente importa, as coisas que nos acontece na vida tiramos de letra
Bjos

Anônimo disse...

Alminha, mulherzinha é bom, veja no blogtalk (acho que já te passei o link) que texto bom sobre isso ... Fer (hahahah, a outra)

Clarice Lis disse...

então, voltando ao assunto ... isso é coisa de mulherzinha, e para ser mulherzinha é preciso ser muito "macha" - entendeu agora? (risos!!) beijos