domingo, 9 de março de 2008

Não te espero mais

Recebi, não sem susto, a notícia de que estavas enamorado.
Coração já não estava mais vazio, foi o que me disseste.
E assim foi decretada trégua ou o fim. Nunca sei.
O que sei é que não espero mais tuas mensagens. Quando cai a noite, sei que não pensas mais em mim e não perturbará mais meu sono.
Passo minhas tardes de domingo sem tua companhia e sem a ânsia do teu chamado.
Não é mais pra ti meu primeiro e meu último pensamento do dia. Confesso que ainda dedico-te pensamentos, mas não és mais o ar que respiro.
Sei que não me chamarás se me vir de relance. E não me consumo mais buscando maneiras de chamar tua atenção. Desejo que o acaso não nos aproxime mais, como outrora fazia tão habilmente.
Quero não esbarrar mais contigo nas coincidências da vida.
Quero-te fora do meu corpo, da minha alma, do meu pensamento.
Quero essa paz.

7 comentários:

Kalar disse...

See Here or Here

adaobraga disse...

apesar de terminar com Quero esta paz, não me parece que antes era uma guerra!

Murdock disse...

Eu já não espero pela "minha" há um tempo. Consegui a paz, me sinto livre...

Paola disse...

É alma preciso de paz!
Tá brabo...

Leticia disse...

Entendo bem desse tipo de paz , velada pela ausência.
Não deixa de incomodar mas tbm é uma paz conquistada , por mim , com resignação e muito choro.
Mas é minha paz comigo mesma e não abro mão.

Antonio Ximenes disse...

Alma.

Todos nós somos seres complexos.

A gente deixa sempre esses amores para trás e a nossa mente... às vezes... deixa guardadas certas fotografias desses sentimentos tão intensas que parecem reais.

Lembranças que nos embalam de tempos em tempos.

Teu texto me lembrou aquela canção do Chico e do Tom: "Anos Dourados"

"Vai ser engraçado... rever um grande amor..."

Todas as minhas grandes paixões estão trancadas com carinho em minha "alma".

Um grande abraço pra tu.

a calma alma má disse...

=> Adão, nem tudo que nos tira o sossego é a guerra, mas se resolve com paz..

=> Murdock, espero estar trilhando o mesmo caminho que vc. Fico feliz em saber da sua liberdade.

=> Paola, sempre se pode tentar o Tibet.. rsrs.

=> Le, resignação e muito choro... A que preço essa sua paz hein? Cuida bem dela.

=> Antônio, eu amo o Vinicius.. mas a música que ilustra hoje infelizmente não encontrei no repertório do Poetinha. É do Roberto Carlo: Outra Vez. Fiquei com vontade de postar essa música em homenagem a isso.. hehehe.